Transcrições fonéticas e fonológicas: prática

Considerando o objetivo deste blog de compartilhar experiências e conhecimentos, abaixo, segue o trabalho produzido durante a disciplina fonética e fonologia, ministrada pela profa. Valdenice Souza, na Universidade Federal do Amapá.

Importante: use este material exclusivamente para fins de pesquisa. Plágio é crime e nada contribui para o seu desenvolvimento intelectual e profissional.

Introdução: Transcrever é fazer corresponder termo a termo as unidades discretas da língua ou da fala e as unidades gráficas. Baseado nessa concepção, esse trabalho tem como principal objetivo observar as idiossincrasias presentes na fala de pessoas de diferentes regiões que possui escolaridade ou não, procurando descrevê-las a partir de um contexto de fala espontânea, através das transcrições fonéticas e fonológicas, observando também os vocábulos fonológicos bem como as características pessoais do falante entrevistado.

Metodologia: foram selecionados diversos tipos de falantes para que cada grupo pesquisasse e entrevistasse um e pudesse transcrever a fala. Nesse trabalho tem-se a transcrição da fala de uma pessoa do interior não escolarizada. Para melhor entendimento, visto que não será apresentado o material gravado, serão feitos os seguintes passos, respectivamente:

  • Transcrição ortográfica
  • Transcrição fonética
  • Transcrição fonológica
  • Marcação do vocábulo fonológico
  • Verificação das características próprias do falante

Seguindo a metodologia proposta, foi entrevistada a Sra. Rosa Maria Costa de Figueiredo, 46 anos, que reside há 21 anos no estado do Amapá, na cidade de Santana. Dona Rosa nasceu no Município de Chaves, no estado do Pará, onde morou até os seus 17 anos. Segue abaixo a entrevista realizada no dia 18/05/2011, na residência da mesma:

1) De qual cidade e estado a senhora veio?

R: Eu vim do Pará, do município de Chaves.

Transcrição fonética:

[ ew ]  [ vĩ ] [ du ] [ pa’ra ] [ du ] [ muni’sipiw ] [ ʤi ] [ ’ʃaviʃ ]

Transcrição Fonológica:

/ ew / / vĩ / / do / / pa’ra / / do / / muni’sipiw / / de / / ‘ʃaves /

Vocábulos fonológicos:

/ dopa’ra / // / de’ʃaves /

 2) Que aspecto, fato, ou momento da sua vida que a senhora acha que foi bem marcante?

R: Olha, eu não tive infância lá, eu me casei muito nova né, com dezessete anos, aí vim para o..para o… para lá para o Ganhoão onde meu marido morou e lá eu  tive meus filhos, mas não tive infância, infância nenhuma, infância não tive. Depois que eu vim me embora para cá só mesmo para ter filhos, trabalhar e não tive infância, não estudei.

Clique na imagem para visualizar melhor

Clique na imagem para visualizar melhor

3) A senhora trabalhou durante sua infância?

R: Não, não Nunca trabalhei, não trabalhava, meu pai que me sustentava, era meu pai e minha mãe.

Clique na imagem para visualizar melhor

Clique na imagem para visualizar melhor

4) Que dificuldades a senhora enfrentou antes de casar e sair da sua cidade?

R: Eu tinha dificuldade que eu não estudei né, porque eu morava no interior, não estudei nada, não tinha onde estudar, não tinha escola onde eu morava, não estudei nadinha, estudei só com a minha mãe o que ela sabia, o pouquinho que ela soube ela me ensinou, foi.

Clique na imagem para visualizar melhor

Clique na imagem para visualizar melhor

Análise dos dados: Diante das transcrições feitas, e após escutar-se minuciosamente a gravação, é possível perceber algumas características naturais do falante, por exemplo:

  • Em algumas palavras há apagamento do ditongo a partir da supressão da semivogal.

Infância → / ĩ’fãsya / → [ ĩ’fãsa ]

Depois → / de’poys / → [ de’poʃ ]

Ensinou → / ẽsi’now/ → [ ẽsi’no ]

  • Assimilação dos fonemas vocálicos / e / pelo / i / e do / o / pelo / u /.

Estudei → / estu’dey / → [ iʃtu’dey ]

Dezessete → / deze’sƐte / → [ ʤize’sƐʧi ]

Com → / kõ / → [ kῦ ]

Obs.: esse processo geralmente ocorre devido ao ponto de articulação dos fonemas consonantais coincidirem com posição/altura da língua na produção dos fonemas vocálicos, então, para o falante é mais rápido e mais fácil produzir determinado som, mesmo que de maneira involuntária.

  • Palatalização dos fonemas / t / e / d /, característico do sotaque nortista:

Tinha → / ’tĩŋa / → [ ’ʧĩŋa ]

Dificuldade → / difikul’dade / [ ʤifiku’daʤi ]

Dezessete → / deze’sƐte / → [ ʤize’sƐʧi ]

Conclusão: após a realização desse trabalho, pode-se verificar as variações presentes na fala da entrevistada a partir da comparação entre as transcrições fonéticas e fonológicas, bem como os processos idiossincráticos ocorridos durante a produção dos fonemas. Assim, obtém-se como resultado que essas variações ocorrem a partir do contexto de aquisição da linguagem do falante.

Referência bibliográfica: material previamente cedido pela Prof.ª Valdenice Souza para acompanhamento de suas aulas.

Jennife Farias